No texto da semana passada te convidei a refletir sobre o seu maternar para que seja vivido com mais tranquilidade. Falei sobre a importância do autoconhecimento, pois acredito verdadeiramente que dentro de cada uma de nós, dentro de VOCÊ existe todo um potencial a ser despertado para que se realize enquanto mãe, enquanto pessoa.

Nesta jornada de autoconhecimento, ao olhar para si, você terá a oportunidade de desconstruir alguns conceitos, ressignificar algumas experiências e desenvolver habilidades que são importantes para construir uma vida feliz, para você e para sua família.

Durante o mês de janeiro, em todo o Brasil, acontece uma campanha em prol da Saúde Mental, por isso hoje quero falar com você sobre um assunto muito importante: SUA SAÚDE MENTAL.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), Saúde Mental é o equilíbrio emocional entre o patrimônio interno, nosso Eu, e as exigências ou vivências externas.

“É a capacidade de administrar a própria vida e as suas emoções dentro de um amplo espectro de variações sem contudo perder o valor do real e do precioso. É ser capaz de ser sujeito de suas próprias ações sem perder a noção de tempo e espaço. É buscar viver a vida na sua plenitude máxima. ” (Dr. Lorusso)

E como é difícil não perder esta noção de tempo e espaço depois de se tornar mãe, não é mesmo?

Ainda na gestação, com o turbilhão de hormônios, a mudança do corpo; depois no pós parto com toda a preocupação em cuidar daquele serumaninho tão frágil, ao mesmo tempo em que você ainda está debilitada, também precisando de cuidados. À medida que os filhos crescem você vai perdendo aquela identidade inicial, suas preocupações mudam, assim como sua concepção de mundo, seus valores, enfim… Tudo muda!

Sem contar a exigência cruel da sociedade, que teima em pintar a ideia da mãe perfeita, fazendo com que cada mãe se isole e tente encobrir suas vulnerabilidades, por acreditar que é a única que passa pelos desafios, por achar que é a única que não vivencia a plenitude deste momento que todos dizem ser tão mágico – e com certeza é especial, mas não em 100% do tempo. Não quando você tem seu sono privado, o bico do peito rachado, o leite empedrado e já não consegue mais tomar um banho revigorante.

Toda mudança, por melhor que seja, gera ansiedade, estresse, angústia e medo perante o novo… Tornar-se mãe é uma mudança e tanto, sendo assim, totalmente compreensível passar pela instabilidade.  

E como fica sua saúde mental?

Gosto muito de usar a metáfora do avião: em caso de despressurização, as comissárias orientam que primeiro você coloque a máscara de oxigênio em si, para depois ajudar as pessoas ao redor. E isso também vale para a maternidade, antes de qualquer coisa, você precisa estar bem, para cuidar bem do seu filho.

TODO FILHO MERECE UMA MÃE FELIZ!

Quando foi a última vez que você algo para si? Caminhar, ler um livro que gosta, dançar, encontrar as amigas, cuidar da sua aparência, meditar, praticar atividade física, desabafar com alguém de confiança, enfim, existem várias formas de cuidar da sua saúde mental, encontre aquela que te traga satisfação, que te ajude a relaxar e se desligar da correria do dia a dia.

Pedir ajuda não é sinal de fraqueza. Seu filho precisa que você cuide de si e obtenha todo o suporte que precisa, para que possa cuidar dele da melhor forma possível.

Vamos juntas?

Com carinho, Aline.