Você acredita que é natural saber ser mãe a partir do nascimento da criança? Você e seu marido migraram da condição de casal para a condição de pais criando acordos saudáveis, com papéis definidos, garantindo que se apoiem no desafio de acolher esse novo membro em seu espaço, sem ceder demais os próprios espaços?

Você tem definido o motivo pelo qual decidiu ter filhos e isso está alinhado aos seus valores? O que você e seu marido acredita sobre educação de filhos? Como essas crenças são fortalecedoras? Quais ferramentas e recursos você tem para exercer a autoridade e lidar com demonstrações emocionais e comportamentais do seu filho?

Alguma vez você já se fez tais perguntas?

Conversar sobre estes assuntos farão total diferença para que você e seu marido se sustentem perante os desafios decorrentes da chegada do bebê.

Toda mudança que temos na vida nos leva para uma zona de desconforto que requer um período de adaptação. Vejo muitos casais se preparando para a chegada do bebê, pensam em todos os detalhes do enxoval, planejam o quarto, fantasiam cada minuciosidade, mas infelizmente acabam não se preocupando com o que – para mim – é o mais importante: os acordos prévios, o autoconhecimento e ferramentas parentais eficazes para lidarem com os futuros desafios.

A fase do casal com filhos pequenos, de acordo com alguns estudos, é a fase com o maior índice de divórcios.

Isso acontece, na maioria das vezes, por causa da inabilidade no casal em apropriar-se das responsabilidades, dividir as tarefas, assumir o papel de cuidadores ativos, exercer autoridade e colocar limites, equilibrar vida pessoal e profissional (causando falta de paciência e estresse), falta de recursos para permitir que seus filhos se expressem adequadamente e, principalmente, de manter o espaço de todos os membros da família, que costuma ser cedido apenas para a criança, gerando desequilíbrio.

Acontece que um casal pode facilmente perder de vista seu relacionamento em meio à nova dinâmica dos cuidados do bebê. A mãe se volta exclusivamente para o filho e o pai acaba ficando de lado, com ciúmes e ressentido. Muitas clientes me relatam que sentem-se sozinhas nos cuidados dos filhos. Antigamente esta função era exclusividade da mãe e embora hoje já vemos os homens mais participativos e envolvidos nesse processo, ainda há muito espaço para melhorar, o que é excelente para toda a família, principalmente para as crianças.

O nascimento de um bebê traz inúmeras mudanças para a vida do casal: mudanças de horários, prioridades, mudanças na relação, alterações no sono e as mudanças no corpo da mulher são apenas algumas delas. Para que você e seu marido possam passar por essa fase juntos, fortalecendo o relacionamento de vocês, é importante que consigam trabalhar em equipe.

Pode ser que você e seu marido não concordem o tempo todo sobre a forma de educar o filho, mas é importante que tenham em mente o que realmente querem para a criança.

Quando seu bebê se tornar um adulto, quais qualidades e características gostaria que ele tivesse?

Para mim faz muito sentido pensar na infância como um período de SEMEAR, ou seja, as sementes que você plantar desde os primeiros momentos de vida do seu filho, ajudarão a moldar o futuro dele. A todo instante, as decisões que você tomar poderão encorajar ou esmorecer as qualidades que gostaria que ele desenvolvesse.

Mas não se sinta pressionada com esta informação, os erros certamente farão parte desta jornada e está tudo bem. Encare-os como valiosas oportunidades para aprender. Não tenha medo de errar, deixe que o amor, o bom senso e a intuição te guiem. Por isso é tão importante você se conhecer e ter consciência dos seus pontos de melhoria, pois só assim você conseguirá discernir entre o que é seu e o que é do outro, eliminando o ruído externo e se ouvindo.

Ter com quem dividir toda essa carga é indispensável, por essa razão volto a dizer –  é muito importante que você e seu marido trabalhem em equipe. Invista um tempo na relação de vocês, mantenham uma frequência de diálogo, expressando seus sentimentos e as dificuldades pessoais. Não é egoísmo atender suas próprias necessidades individuais, até porque vocês precisam estar bem para cuidarem bem dos filhos.

“Mães e pais sábios sabem que a criação de filhos é uma parceria, e, quando a tratam como tal, os verdadeiros vencedores serão seus filhos” (Jane Nelsen).

Vamos juntas?

Com carinho, Aline.