Você e seu filho foram almoçar no shopping e estão aguardando a comida chegar. Ele pede para brincar no play e você diz: “Assim que terminarmos nosso almoço, vamos para lá, mas primeiro você tem que comer tudo”. Em resposta, seu filho pode reagir de maneiras diferentes: Aceitar sua condição e te obedecer; Resmungar um pouco, mas te obedecer; Abrir o berreiro, se jogar no chão e se comportar como se aquilo fosse o fim do mundo ou sair correndo para o parque sem se importar com o que você disse.

Se você tiver 2 filhos ou mais, poderá perceber que cada um reagirá de uma maneira. Tal diferença é perceptível desde os primeiros dias de vida, pois os bebês nascem com personalidades singulares. Certamente você já se questionou “Como podem ser tão diferentes? Nem parece que nasceram da mesma barriga”.

O fato é que cada criança nasce com um estilo único de processar informações sensoriais e responder ao mundo à sua volta, ou seja, cada uma tem o seu próprio temperamento que contribui para a formação da sua personalidade. Entender o temperamento do seu filho te ajudará a se conectar mais com ele e a desenvolver habilidades necessárias para a construção de uma vida feliz.

“Com compreensão e acolhimento, pais estão equipados para ajudar as crianças a alcançarem seu potencial máximo, em vez de tentarem moldá-las como crianças ideais”. (Jane Nelsen)

Na década de 60, iniciou-se pesquisas sobre a teoria do temperamento que se estendeu por mais de uma década num estudo longitudinal de dois temperamentos básicos: ativo e passivo. Posteriormente, os pesquisadores Chess e Thomas listaram no total nove temperamentos:

  1. Nível de atividade: refere-se ao nível de atividade motora e à proporção de períodos ativos e inativos. Geralmente nos referimos à criança como tranquila ou agitada. Se seu filho tem um alto nível de atividade, ele vai querer explorar os ambientes e preferir brincadeiras mais ativas. Caso seu filho tenha um baixo nível de atividade, seu papel será o de estimulá-lo nas explorações e brincadeiras.
  2. Ritmo biológico: refere-se às necessidades fisiológicas, tais como comer, dormir e evacuar. Atentar-se para o ritmo do seu filho te ajudará com o desfralde, com a rotina de horários, com a quantidade de comida em cada refeição, com a rotina do sono, etc. Vejo muitas mamães tentando impor as suas próprias vontades ao ritmo biológico da criança e com isso acaba entrando numa disputa de poder ou gastando muita energia sem necessidade.
  3. Resposta inicial (aproximar-se ou afastar-se): algumas crianças são mais receptivas a uma nova situação ou estímulo, seja uma comida diferente, um brinquedo, uma pessoa ou um lugar. Outras crianças são mais relutantes e com isso precisam da sua ajuda para se ajustarem e, assim sendo, sua abordagem precisa ser acolhedora e encorajadora.
  4. Adaptabilidade: a partir da aproximação ou afastamento perante o novo estímulo, outro fator é a habilidade de se ajustar e mudar. Tem crianças que conseguem dormir em qualquer lugar, independente do barulho ao redor. Outras só dormem se estiverem no silêncio acolhedor do quarto escuro. Tem crianças que quando viajam com a família, ficam super bem e felizes no ambiente novo, outras já ficam mais retraídas e manhosas.
  5. Limiar sensorial: o nível de sensibilidade e estímulo sensorial (visão, audição, tato, olfato e paladar) varia de criança para criança e isso afeta como elas se comportam e veem o mundo. Perceber como seu filho reage a estes estímulos, se é mais ou menos sensível, te ajudará a manejar as situações de forma a promover seu bem-estar.
  6. Qualidade do humor: Esta é uma característica que marca a personalidade da criança desde cedo. Algumas crianças são mais risonhas e parecem ser mais felizes, enquanto outras tendem a ser mais rabugentas e choronas. É importante que você seja sensível ao humor do seu filho e caso ele faça parte do segundo grupo, à medida que ele cresce, pode ajudar se você praticar com ele exercícios de gratidão e estimulá-lo a ver o lado bom das coisas.
  7. Intensidade das reações: está ligado à forma como a criança reage aos eventos que acontecem ao seu redor. Algumas crianças são mais dramáticas e dão um ênfase maior para as coisas, outras são menos reativas. Saber qual é o temperamento do seu filho te ajudará a manejar melhor as situações.
  8. Distração: se refere à maneira pela qual um estímulo externo interfere no comportamento da criança. Perceba como seu filho se comporta quando está com um brinquedo novo. Ele fica entretido e nem percebe as situações ao redor ou se distrai facilmente?
  9. Persistência e nível de atenção: Persistência se refere à vontade de uma criança em prosseguir com uma atividade diante dos obstáculos ou dificuldades. Alguns pais podem encarar isso como teimosia e querer exterminar o comportamento, mas o mais adequado é buscar estratégias para redirecioná-lo, já que a persistência é uma habilidade importante para a construção de uma vida feliz. O nível de atenção descreve o período que ela irá focar em uma atividade sem interrupção. Atualmente fazem muita confusão entre esta característica do temperamento e o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Crianças com um curto nível de atenção, precisa de muitos estímulos para se envolver.

É importante que você respeite o temperamento do seu filho e desenvolva habilidades parentais para encontrar um equilíbrio entre as necessidades dele e as suas. Até porque você também tem o seu temperamento que precisa ser respeitado. Respeitar não quer dizer concordar, mas sim acolher o seu filho do jeito que ele é e não reagir com base no que você gostaria que ele fosse.

Identificar o seu temperamento e o do seu filho pode ser um grande começo para uma maior conexão e uma educação firme e gentil. Não é efetivo culpar seu filho pelo comportamento causado pelo temperamento dele. Você também não tem culpa pelas características dele.

“Ao compreender e respeitar o temperamento do seu filho, você poderá ajudá-lo a alcançar seu potencial máximo como uma pessoa capaz, confiante e contente. E há um bônus: você provavelmente terá muito mais descanso, rirá mais e aprenderá muito sobre você e seu filho no processo”. (Jane Nelsen)

Vamos juntas?

Com carinho, Aline.