Vamos falar sobre disciplina? Essa palavra vem do latim discipulus ou disciplini e significa “seguidor da verdade, do princípio”.

Quais recursos você utiliza para disciplinar seu filho?

O castigo e a punição sempre foram os meios mais utilizados pelos pais na criação de seus filhos e é comum ouvirmos algumas pessoas dizerem: “Esse menino está precisando de uma boa surra para aprender”, “Umas boas palmadas o ajudará a se comportar”, “Na minha época meu pai me batia e eu aprendi a lição”, “Vai ficar de castigo para aprender a nunca mais fazer isso”, dentre outras frases.

 

Como diria Jane Nelsen, psicóloga precursora da Disciplina Positiva De onde tiramos a absurda ideia de que, para que as crianças se comportem, primeiro devemos fazê-las se sentir mal?”. É tolice pensar que as crianças serão melhores porque as castigamos fisicamente.

O castigo e a punição podem até “funcionar” no momento, naquela situação pontual, mas não é efetivo e nem saudável a longo prazo. Ao castigar fisicamente uma criança, impactamos negativamente a sua autoestima, autoimagem e autoconfiança. Ela pode crescer com a percepção distorcida de que não é uma boa pessoa, pode até vir a desenvolver um quadro depressivo e uma autoimagem depreciativa.

Não estou dizendo que a criança não deve ser repreendida quando apresenta um mau comportamento. É sim importante que ela aprenda limites e regras para um bom convívio social. O que estou dizendo é que existem outras alternativas, que além de repreendê-la, a ajudará a internalizar tais conceitos, para que possa expandir e aplicar em outras situações.

A Disciplina Positiva é baseada em respeito mútuo e cooperação, incorporando gentileza e firmeza ao mesmo tempo, de forma a promover a auto responsabilidade na criança.

 

 

É importante saber que, acerca do mundo e das coisas ao seu redor, a criança tem uma visão diferente do adulto. Quanto menor ela for, menor é sua capacidade cognitiva de compreender racionalmente as situações e, justamente por estar em desenvolvimento, ainda está aprendendo a administrar suas emoções que desencadeiam os comportamentos.

Ouço de muitas mães que recorrem à punição para disciplinar seus filhos, o quanto sentem-se culpadas por agirem de tal forma, mas o fazem por desconhecerem outras ferramentas. Por isso, vou compartilhar aqui 4 ferramentas utilizadas na Disciplina Positiva e que te ajudarão neste processo.

  1. Conquiste a criança em vez de usar seu poder para se impor a elas. Permita que ela expresse seus sentimentos, mostre que a entende, que compreende o que ela está vivenciando, tenha empatia, ou seja, coloque-se no lugar dela.
  2. Pare de dizer o que ela deve fazer e comece a perguntar de uma forma que convide a criança a participar da resolução dos problemas. Por exemplo, a criança teve um comportamento de birra porque queria um brinquedo da loja e você disse não. Primeiro compreenda o sentimento de frustração que ela está experimentando, é aceitável que ela se sinta frustrada por não ter seu desejo atendido, mas não é aceitável que ela se comporte daquela maneira, por isso não ajuda se você simplesmente lhe der umas palmadas ou ser ríspida, mandando “engolir o choro”. Diga a ela algo do tipo “Eu entendo que você ficou chateada porque queria o brinquedo e eu não comprei, mas não posso comprá-lo no momento e gostaria que você entendesse. O que você acha que podemos fazer para resolver esta situação e você se sentir melhor?”
  3. Encare os erros e maus comportamentos como oportunidades para aprender.  Atenção para este ponto! Ninguém é perfeito, todo mundo comete erros e por trás de todo erro, há uma excelente ocasião para aprender algo diferente. Só aprendemos a ser tolerantes quando temos experiências que nos exigem isso. Os comportamentos inadequados que a criança apresenta, são oportunidades de ensiná-la a identificar o sentimento que está presente e, juntas pensarem em outras formas de resolverem.
  4. Certifique-se de que a mensagem de amor esteja clara. Acredito que toda preocupação e tudo o que uma mãe e um pai fazem pelo filho são em decorrência do amor que têm por ele, mas nem sempre essa mensagem fica clara. É importante que ao disciplinar seu filho, você seja firme e gentil, mostrando todo o amor que sente por ele.

Já conhece meu E-Book “Disciplinando com Amor”? CLIQUE AQUI e baixe gratuitamente. 

Vamos juntas?

Com carinho, Aline.